DOCES DIVAGAÇÕES

Pensamentos voam e, de repente, pousam aqui.

C02P02. Adeus

Reading Young Man - Ignat Bednarik

Reading Young Man – Ignat Bednarik

Já faz algum tempo que analiso aspectos da minha vida. Obviamente que o lado sentimental tem se exaltado e chamado minha atenção em demasia. Pensei muito a respeito e tive a certeza que não poderia conhecer você. Agrupei um amontoado de motivos, talvez deveras emotivos, mas que certamente foram cruciais para minha tomada de decisão.

Contudo, agora tenho em minha frente uma nova barreira. Um obstáculo a ser derrubado. Primeiro preciso entender a razão que me fez optar em querer manter-lhe sempre comigo. Em palavras simples, você foi o resultado de tudo aquilo que eu desejei em alguém, fruto de precioso e delicado molde produzido ao longo do tempo e no decorrer de nossas agradáveis conversas. Temi conhecer-lhe pessoalmente pelo medo da negativa, da recusa dolorosa que me entristeceria por dias intermináveis. Temi pelo medo do descarte.

Este impasse foi criado por mim e alimentado por todos os traumas e pelas experiências passadas. Percebi, então, o óbvio: se não posso lhe conhecer, por que deveria continuar nutrindo esse sentimento por você? Uma análise mais lúcida de nossas conversas permitiu-me observar que eu me apaixonei. Neguei, mas tenho a convicção que nutri um grande sentimento romântico. Que fui eu quem se apegou. Você? Não. Talvez nem metade do que eu sinto – ou senti. Seria melhor não quantificar.

Ponderei as ações futuras. Continuar, como se nada houvesse acontecido? E tudo o que já conversamos, seria jogado ao vento? Este foi o primeiro pensamento que veio à mente quando vislumbrei a barreira. Se 1. não posso lhe conhecer e 2. não darei continuidade ao sentimento que tenho por você, acredito com veemência que o próximo passo é o afastamento.

Abrindo um parêntesis para falar sobre tecnologia, vivenciamos uma era na qual as pessoas estão virtualmente mais próximos umas das outras. E não vejo problema algum nisso, na realidade é excelente. Todavia, quando se passa por atribulações amorosas, qualquer contato visual com a pessoa amada representa uma bomba em um campo minado, pronta para explodir a qualquer momento. Logo, quanto maior o número de redes sociais em contato, maior a quantidade de hectares a caminhar.

Voltando ao assunto anterior e, considerando tantos condicionais, percebi que o mais razoável a se fazer é cortar relações. Há quem prefira um processo lento, de modo a minar conversas e reduzir aos poucos os acessos às redes sociais. Outros preferem de maneira abrupta, com direito a exclusões e bloqueios tempestivos.

Caberá uma análise mais profunda sobre qual medida adotar, mas o resultado será o mesmo: afastar-me de qualquer sentimento afetivo que nutri por você.

Anúncios

Comente agora mesmo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 06/02/14 por em Contos e marcado , , , , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: