DOCES DIVAGAÇÕES

Pensamentos voam e, de repente, pousam aqui.

A Dangerous Method (Canadá, 2011)

Para aqueles que amam explorar aventuras cinematográficas de figuras históricas, o mais recente trabalho de David Cronenberg pode proporcionar uma imensa quantidade de prazer. Contudo, deve-se ter cautela quando se discute noções de prazer quando tratamos com dois dos fundadores da psicanálise: Sigmund Freud e Carl JungUm Método Perigoso (A Dangerous Method), produção canadense e alemã, em praticamente dois meses de 2011, é baseado no um livro de John Kerr, chamado “A Most Dangerous Method: The story of Jung, Freud, and Sabina Spielrein“, retratando o turbulento relacionamento entre Carl Jung, fundador da psicologia análitica, Sigmund Freud, fundador da psicanálise, e Sabina Spielrein, inicialmente paciente de Jung e mais tarde uma das primeiras mulheres psicanalistas.

Spielrein chega em Burghölzli, proeminente hospital psiquiátrico em Zurique, com um típico caso de histeria e recebe tratamento com o médico suíço Carl Jung. Iniciada a aplicação das teorias de psicanálise propostas por Freud, Jung constata que a condição de Spielrein foi desencadeada pela humilhação e excitação sexual que sentia quando criança, em virtude dos espancamentos realizados por seu pai, detentor de incrível pavio curto. Essa dicotomia de sentimentos foi agravada por sua natureza interior, detentora de conhecimentos suficientes para entender que nada havia feito para receber tal punição. Sabia, ainda, que servia como representação figurativa de sua mãe, que era infiel. Porém, mesmo recebendo uma educação excepcional, apta ao estudo universitário, seus pais nada proporcionaram sobre o ensino sexual, deixando-a em estado de histeria profunda.

Sua inteligência e dedicação foram imediatamente reconhecidas e até mesmo encorajadas por Jung e Eugen Bleuler, diretor do hospital, desde que planejou estudar medicina. Ambos permitiram, portanto, que ela os ajudasse nos experimentos, participando na medição de reações físicas dos indivíduos em exercícios de associação de palavras, a fim de fornecer dados empíricos para uma base científica à psicanálise, melhorando os aspectos das teorias de Freud ligados às sensações, que defende que toda doença mental é enraizada na experiência sexual durante a infância, seja ela real ou fantasiosa. Spielrein descobre que parte dessa nova ciência tem fundamento em observações dos médicos não apenas aos pacientes, mas a si mesmos, uns aos outros e a suas famílias.

E durante o tratamento de Spielrein, Jung é incumbido aos cuidados do brilhante, porém absolutamente mulherengo, psicanalista Otto Gross. Gross condena a monogamia em geral e sugere que a resistência à transferência é um sintoma da repressão aos impulsos sexuais normais e saudáveis. Após horas de conversas com Gross, Jung cede aos instintos e inicia uma relação não somente sádica, mas também masoquista com Spielrein. Para piorar a situação, Jung torna-se orientador da dissertação de Spielrein.

Freud teme que, ao legitimar misticismos apresentados por Jung – como telepatia, fenômenos de exteriorização catalítica, entre outros -, causará danos irreparáveis à credibilidade que já havia alcançado em suas teorias. Freud realmente acreditava que Jung poderia herdar suas teorias e segui-las adiante. O resultado desse conflito é um jogo de poder intenso entre mestre e aluno. Quando Jung ultrapassa a tênue linha entre médico-paciente com Spielrein sua credibilidade torna-se vulnerável. Jung se vê no abismo entre suas crenças em suas teorias e seu mundo pessoal que está desmoronando sua incapacidade de resistir ao desejo sexual – desejo este amplamente dissecado na obra de Freud.

Por fim, todos se tornam excessos para si mesmos. Gross morre por inanição em 1920; Freud fica dividido ao vê-lo como o pai que o supersticioso Jung queria destruir; Jung acredita que a psicanálise pode salvar o mundo e vê em Spielrein uma combinação positiva de inteligência e intuição que poderão guiar à terapia universal; e ela, ao voltar para Rússia, torna-se uma famosa psicóloga na União Soviética, porém vítima da Primeira Guerra Mundial.

A temática do filme, por si só, é pesada. É inteligente. Cronenberg desenvolve o tema com maestria, enquanto a atuação de Viggo Mortensen (Freud), Michael Fassbender (Jung) e, principalmente, Keira Knightley (Spielrein) dão o toque sutil de realidade, impressionismo e fidedignidade aos fatos apresentados. Vincent Cassel, ao interpretar Gross, pareceu-me quase irreconhecível, tamanha imersão ao personagem. Fassbender e Knightly são magníficos ao trazer à tona personagens complexos. Acredito, quiçá, que este filme serviu de base para que Fassbender atuasse em Shame (EUA, 2012).

A trilha sonora do filme foi composta por Howard Shore, que fez um bom trabalho, pois destaca bem o humor das cenas e complementa, ao invés de sobrepor, a ação representada em tela. Separadamente do filme, carece de sentido e variedade, uma vez que as faixas se fundem em um conglomerado de músicas de fundo, como se fossem próprias para elevadores, salas de estar e recepções de hotéis. Este é um álbum que demonstra sua magia em tela, complementando-o de maneira sutil e com elegância.

Amantes de profissionais e estudantes da área da saúde identificar-se-ão facilmente com os diálogos apresentados; mas, todos aqueles que apreciam filmes inteligentes, lógicos e de temas fortes, sintam-se devidamente convidados a apreciar uma incrível produção cinematográfica.

Anúncios

Comente agora mesmo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: