DOCES DIVAGAÇÕES

Pensamentos voam e, de repente, pousam aqui.

Marrocos: O reino que inspira fantasia

Encantamento. Talvez seja esta a palavra mais adequada para traduzir o Reino do Marrocos. A magia envolve o país que reúne ensolaradas praias, montanhas nevadas, cachoeiras e, é claro, o deserto mais famoso do mundo. É impossível pensar no lugar e não lembrar imediatamente do Saara, afinal, metade do território do país é ocupado pelo deserto. Para quem não conhece, é difícil imaginar que em meio a tanta aridez, o país abriga verdadeiros oásis com cachoeiras de até 60 metros que mais parecem miragens de filmes Hollywoodianos. Isso sem falar no fato de o país ser banhado pelo Atlântico e pelo Mediterrâneo.

A localização é privilegiada. No oeste da África, próximo à Europa, é uma porta de entrada para os dois continentes. Essa favorável posição geográfica gerou conflitos no território que foi alvo de muitas invasões no passado. Para se proteger, os antigos construíram as cidades atrás de muralhas de pedra ou de barro, as chamadas Kasbahs. A pluralidade climática e geográfica permite a prática de esqui, o banho nas praias e um passeio a camelo – que sinceramente não é dos mais agradáveis. A principal estação de esqui, Oukaimeden, funciona de Dezembro a Abril e fica perto de Marrakech. Para quem curte uma praia, o litoral é bem extenso: vale à pena dar uma passada por Tanger, intitulada por Henri Matisse como o paraíso dos pintores.

Realmente, quem visita o Marrocos parece mergulhar no conto de As Mil e Uma Noites. Véus, cores, sabores, enfim… tudo é envolvente. Percorrer os labirintos de uma Medina (centro comercial e residencial) não parece real. Pessoas, animais, motos e um comércio intenso fervilham nesses lugares – especialmente se levarmos em consideração o calor local. Os suqs são mercados árabes: cerâmicas, tapetes, especiarias, tecidos e afins são encontrados por lá, numa riqueza de cores e detalhes. E, como nos filmes, é possível encontrar os encantadores de cobra. Ao ir às compras, é importante lembrar que compensa pechinchar, já que a negociação é um talento para os marroquinos. Se você não fala árabe, que é a língua oficial de Marrocos, não se preocupe. Devido sua estreita relação com a França, quase toda população marroquina fala francês, então aproveite para gastar o que aprendeu na Aliança Francesa. Já a culinária não foge à regra do país: é diversificada e muito colorida. Frutos secos ao sol, especiarias perfumadas e pratos exóticos são convites à apreciação de sabores intensos. Para quem gosta de temperos exóticos, é a pedida certa!

A capital Rabat é a cidade branca. Há muito que visitar: galerias de arte, jardins e a Mesquita Hassan II, a única a permitir a entrada de turistas não muçulmanos. Fez, amarela, é a capital religiosa do país onde fica a Mesquita dos Andaluces. Os islâmicos são a grande maioria e fazem cinco pausas diárias para orações. Lá também está localizada a Universidade Karueein, eleita pelo Guiness como a mais antiga em funcionamento no mundo. Marrakech é vermelha, abriga tumbas de sultões que reinaram durante os séculos XVI e XVII e possui o maior suq do país. A praça Djemaa El Fna é uma das mais animadas da África e conta com acrobatas, dançarinos, músicos e barracas de comidas típicas. Verde é a cor de Meknès, que tem uma história de devaneios. Um sultão chamado Moulay Ismail ordenou a destruição de Fez e Marrakech para que nenhuma superasse Meknès em beleza, que é, de fato, deslumbrante.

Marrocos

Embora não esteja entre as imperiais, impossível não mencionar Casablanca, a maior cidade do país, que dá nome ao ardente romance entre Hunphey Bogart e Ingrid Bergman durante a 2ª guerra. Casablanca não foi palco da película que, aliás, não teve sequer uma cena rodada ali. Mas isto não motivo para deixar de visitar o local de arquitetura árabe-andaluza, que abriga um dos maiores portos artificiais do planeta e é a capital financeira e industrial do país.

Na terra do sol poente (significado de Marrocos em árabe) tudo é mítico e místico. É impossível não deixar-se levar pelo encantamento e não imaginar-se como um personagem de um conto ou filme, de Mil e Uma Noites à Casablanca.

Anúncios

Comente agora mesmo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 09/05/11 por em Viagens e marcado , , , , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: